Seguidores

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

GOLFINHOS MORTOS NO BRASIL

Ibama flagra matança de golfinhos no litoral brasileiro

Fiscal registrou 83 animais mortos em um barco pesqueiro no Amapá.
Ibama ainda tenta identificar os envolvidos no crime ambiental.
Do G1, com informações do Jornal Nacional


Pesquisadores do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama) descobriram a matança de dezenas de golfinhos no Litoral Norte do país. Presos nas redes de pesca, animais morrem afogados, sem chance de defesa.
 




Imagens revelam a matança indiscriminada de golfinhos na costa do Amapá. Num único barco pesqueiro, foram mais de 80 capturados ilegalmente.


Para conseguir registrar o flagrante, um técnico contratado pelo Ibama acompanhou a pesca predatória durante vários dias. As imagens feitas na costa do Amapá mostram a matança de dezenas de golfinhos.


Presos às redes de pesca, os animais não conseguem subir à tona para respirar e morrem afogados. Quando as malhas são recolhidas, a confirmação de que os bichos não tiveram nenhuma chance. "Tá vindo mais um ali, tá vindo mais um, com esse são 42 agora."


O crime ambiental foi descoberto por pesquisadores do Ibama que estudam os impactos da pesca na região Norte. Só numa embarcação, foram 83 animais. Ainda em alto-mar os golfinhos são vendidos para outros barcos. A carne vai servir de isca para tubarões.


Uma das pessoas a bordo brinca com a situação. "Tô filmando, capitão. Tô filmando, cara! Todo mundo preso no final dessa filmagem (risos)."


"É crime sim. A pena chega até um ano. Se ocorrer morte do animal vai a um ano e quatro meses", disse Bertolino Neto, da delegacia do meio ambiente.


O Ibama diz que não multou ninguém porque ainda não conseguiu identificar as pessoas que estavam nos barcos. No Pará, pesquisadores sabem que a pesca ilegal de golfinhos também vem ocorrendo na costa do estado. O Ibama quer identificar os locais onde os animais vêm sendo abatidos para proibir a pesca nessas áreas.


"Nós vamos construir essas áreas de exclusão a partir de uma articulação com os próprios pescadores. É fundamental que o pescador saiba que aquela região que tem essa ocorrência, não pesque lá para que a gente possa compatibilizar a atividade de pesca com a conservação dos golfinhos", declarou Rômulo Neto, do Instituto Chico Mendes.


Partes dos golfinhos podem ser encontradas no mercado Ver-o-peso, em Belém. Os dentes são usados em bijuterias e os olhos viram pequenos amuletos vendidos ilegalmente. Uma mulher, que não quer aparecer, diz que negocia até 50 olhos por mês.


"Coloca na carteira, porta-cédula, que é pra atrair o dinheiro e atrai mulher também, geralmente os homens compram pra usar no bolso, pra atrair a mulher."


Crença popular que alimenta a perseguição aos golfinhos. "Nós precisamos ter um trabalho intenso de fiscalização sobre essa atividade e precisa um trabalho de educação ambiental com toda a sociedade pra que se mude esse comportamento e essa cultura", disse Neto

280 MIL TUBARÕES MORREM POR ANO NO PARÁ



1,4 tonelada de barbatana de tubarão é apreendida em Belém

Produto seria exportado para Hong Kong (China) e usado na indústria alimentícia.
Empresa foi multada por não comprovar a destinação das carcaças.

Do G1, em São Paulo

1,4 tonelada de barbatana de tubarão foi apreendida pelo Ibama em Belém1,4 tonelada de barbatana de tubarão foi apreendida pelo Ibama em Belém (Foto: Divulgação/Ibama)

Uma carga de 1,4 tonelada de barbatana de tubarão foi apreendida no porto de Belém, na quinta-feira (26), por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A mercadoria seria exportada para Hong Kong, onde é utilizada na indústria alimentícia.
A empresa foi multada em de R$128 mil, pois não comprovou a destinação correta das carcaças de tubarão. Foram usadas notas fiscais de venda de carcaças para empresas fantasmas.
Segundo o Ibama, os animais tiveram apenas as barbatanas cortadas e foram lançados novamente ao mar. O animal é jogado vivo na água, mas não sobrevive e morre sem poder nadar. Para os pescadores, ocupar o barco somente com barbatanas é mais lucrativo que ocupá-lo com o tubarão inteiro.

A MORTE DOS TUBARÕES EM BELÉM DO PARÁ

Ibama apreende 1,4 t de barbatanas de tubarão irregulares no Pará

JOÃO CARLOS MAGALHÃES
DE BELÉM

O Ibama no Pará apreendeu 1,4 tonelada de barbatanas de tubarão obtidas, segundo o órgão, por meio da pesca predatória.
A apreensão ocorreu na quinta-feira (26) em uma empresa exportadora de Belém. A carne, avaliada em R$ 80 mil, iria para Hong Kong (China), onde a barbatana tem a fama de, quando ingerida, provocar efeitos afrodisíacos. A empresa também foi multada em R$ 128 mil.
Segundo os fiscais, ela não conseguiu comprovar que, originalmente, o resto da carne dos tubarões dos quais as barbatanas foram cortadas também foi comercializado.
Isso caracteriza uma prática chamada de "finning", na qual apenas as barbatanas (de maior valor comercial) são cortadas, e o animal é jogado de volta na água.
Alguns conseguem sobreviver, ainda que temporariamente.
A exploração predatória de tubarões por parte de outra empresa de Belém levou uma ONG a entrar com uma ação pedindo indenização de R$ 1,3 bilhão pelos supostos danos ambientais.
Essa outra empresa comercializou ilegalmente 24 toneladas de barbatanas, referentes a aproximadamente 280 mil tubarões, segundo estimativa da ONG.
Seguindo essa proporção, para obter a 1,4 tonelada apreendida foi preciso matar mais de 16 mil tubarões.